• banner CARE 404x132

APAV contribui para Estratégia Nacional para o Envelhecimento Ativo e Saudável | 2017-2025

O envelhecimento da população mundial e muito particularmente das sociedades europeias constitui um dos maiores desafios do século XXI. Reconhecendo que a violência contra as pessoas idosas constitui um problema social e de saúde pública, considera-se que o seu eficaz combate pode contribuir para um futuro mais inclusivo, onde todos sejam respeitados ao longo do ciclo da vida, nomeadamente no contexto de um envelhecimento ativo e saudável.

Portugal está comprometido com a Estratégia e Plano de Ação Global para o Envelhecimento Saudável da Organização Mundial de Saúde (OMS) e com os valores e objetivos fundamentais da União Europeia (UE), que contemplam a promoção do envelhecimento ativo e estão refletidos em iniciativas como as Propostas de Ação da UE para a promoção do Envelhecimento Ativo e Saudável e da Solidariedade entre Gerações (Decisão n.º 940/2011/U, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de setembro).

Assim, nos termos do Despacho n.º 12427/2016, de 17 de outubro, e em cumprimento com os objetivos definidos, num trabalho de parceria interministerial e intersectorial o Grupo de Trabalho aí referido propôs a Estratégia Nacional para o Envelhecimento Ativo e Saudável. A proposta apresentada apoia-se no trabalho desenvolvido pela Direção-Geral de Saúde no âmbito dos programas de prevenção da doença, de promoção da saúde e do Plano Nacional de Saúde (PNS), com a colaboração da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI), Instituto de Segurança Social, I.P., Direção-Geral da Segurança Social, I.P., Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES), Direção-Geral das Autarquias Locais, Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, Associação Nacional de Município Portugueses e Associação Nacional de Freguesias. 

A APAV foi convidada a participar na discussão alargada tendo enviado, em Abril, o seu contributo para a Estratégia Nacional para o Envelhecimento Ativo e Saudável | 2017-2025 e, no presente mês, no âmbito da consulta pública enviou novos contributos.

- 2º Contributo da APAV para Estratégia Nacional para o Envelhecimento Ativo e Saudável 2017-2025 no âmbito da sua consulta pública (Agosto 2017)

- 1º Contributo da APAV para Estratégia Nacional para o Envelhecimento Ativo e Saudável 2017-2025 (Abril 2017)

II Conferência Europeia de Violência Doméstica | Porto | 6/9 Setembro 2017

Entre os dias 6 e 9 de setembro de 2017 vai realizar-se a II European Conference on Domestic Violence, que terá lugar na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Depois do sucesso da primeira conferência europeia (Belfast 2015), esta segunda edição resulta de uma colaboração entre a FPCEUP, a UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta e a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima.

A II Conferência Europeia de Violência Doméstica permitirá a investigadores/as, académicos/as, estudantes de doutoramento, profissionais e decisores/as políticos a oportunidade de se juntarem e refletirem com os seguintes objetivos:

  1. Articular investigação e intervenção na área da violência doméstica;
  2. Permitir a troca de conhecimentos, boas práticas e metodologias que melhor contribuam para a proteção das vítimas e a erradicação da violência doméstica e de género;
  3. Partilhar trabalhos e resultados científicos que ajudem à construção de políticas sociais e legais sobre a violência doméstica e de género;
  4. Promover o networking entre profissionais e especialistas nesta área;
  5. Desenvolver redes de investigação e de boas práticas, métodos e ferramentas para a prevenção e o combate da violência doméstica.

Mais informações:
www.fpce.up.pt

APAV manifesta pesar pelas vítimas de Barcelona


Foto: AS

A Europa foi mais uma vez atingida pelo terror no dia 17 de Agosto. A APAV manifesta o seu pesar pelas vítimas de Barcelona e a sua solidariedade para com os/as familiares, amigos/as e comunidades afetadas pelo incidente.

Atentados terroristas como este têm um efeito devastador nas suas vítimas diretas e indiretas. É crucial que quem é afetado por estes atentados receba apoio de modo a conseguir elaborar estratégias para lidar com todas as consequências imediatas e de longo prazo. A Rede de Apoio a Familiares e Amigos de Vítimas de Homicídio (RAFAVH) da APAV está disponível para apoiar qualquer português que tenha sido afetado ou tenha vivenciado o atentado, bem como os seus familiares e amigos/as.

Caso tenha sido vítima de terrorismo no estrangeiro:
apav.pt/vitimasdehomicidio


Rede de Apoio a Familiares e Amigos de Vítimas de Homicídio | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Linha de Apoio à Vítima | 116 006 (dias úteis, 9h-19h)

Procuramos Colaboradores/as na área jurídica: 1 posição em Lisboa e 1 posição no Porto

Exposição: "O Virar da Página" | Ponta Delgada | Até 31 de Agosto

A APAV promove, no âmbito das comemorações do 10º aniversário da APAV Açores, a exposição de fotografia "O Virar da Página", de José Sarmento Matos.

A exposição foi inaugurada no dia 10 de Julho e estará patente até 31 de Agosto no Edifício dos CTT (Avenida Antero de Quental, 9), em Ponta Delgada.

"O Virar da Página" é um documentário fotográfico produzido em Portugal, sobre a transformação de pessoas que sofreram crimes violentos, feito em parceria com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Estas pessoas, lutando contra a sua própria vergonha, medo e vulnerabilidade, pediram ajuda à APAV e aceitaram agora expor as suas histórias pessoais, com o principal objectivo de alertar a sociedade para o fenómeno da violência e encorajar todos aqueles que são vítimas a reagirem à situação e a procurarem apoio. Entre Setembro de 2014 e Abril de 2015 foram fotografadas e entrevistadas cerca de 30 pessoas que sofreram de crimes tais como, violência doméstica, tráfico humano, stalking e outras que ficaram traumatizadas pelo assassinato de alguém que lhes era próximo. O projecto não aborda apenas a violência que estas mulheres e estes homens sofreram. Trata essencialmente a forma como as pessoas lidam com os traumas do passado e como estão agora, no presente. Contar estas histórias deu-me a oportunidade de mostrar a que ponto estas pessoas são corajosas, enfrentando uma realidade tão pesada e difícil e como ainda têm força para ultrapassar situações que, por vezes, parece não terem saída.
José Sarmento Matos