APAV Notícias #100: o boletim informativo da APAV agora com nova imagem

Publicado .

 APAV noticias 100

A newsletter APAV Notícias, o boletim informativo da APAV, chega à edição número 100 em julho de 2019. Para assinalar a data, a APAV reformulou a newsletter, que apresenta agora uma imagem renovada.

Nesta edição, anunciamos a distinção da Fundação Calouste Gulbenkian, que atribuiu à APAV o Prémio Gulbenkian Coesão 2019, o Protocolo de Cooperação assinado com a CNPDPCJ a 10 de julho e a participação da APAV na Marcha do Orgulho LGBTI+ de Lisboa, entre outras notícias e destaques.

Consulte aqui a newsletter:
APAV Notícias #100 | Julho 2019

Miscellanea APAV #7 | Apresentação da revista

Publicado .

Convite Miscellanea 7 copy

No dia 8 de agosto, pelas 11.00, a APAV apresenta o sétimo número da revista Miscellanea APAV. A apresentação decorre nos Serviços de Sede da APAV em Lisboa (Rua José Estêvão, 135 A - ao Jardim Constantino).

A Miscellanea APAV é a publicação semestral da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima que divulga artigos científicos e de reflexão sobre temas relacionados com vítimas de crime ou com apoio à vítima.

A edição de agosto de 2019 compila artigos de Ana Luísa Bessa (menção honrosa do Prémio APAV para a Investigação 2018), Ana Inês Prior e Carla Fonte, Filipa Ribeiro Pereira (vencedora do Prémio APAV para a Investigação 2018) e Mafalda Valério e Marta Carmo (Unidade de Relações Internacionais, Desenvolvimento e Gestão de Projetos da APAV). Esta edição conta ainda com as ilustrações de Kruella D'Enfer.

As edições anteriores da Miscellanea APAV podem ser consultadas online aqui.

Confirme a sua presença: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | 21 358 79 15

30 de julho | Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas

Publicado .

UAVMD LX 02

Assinala-se, a 30 de julho, o Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas.

O crime de Tráfico de Pessoas continua a afetar milhões de pessoas em todo o mundo e exige cada vez mais o desenvolvimento e constante atualização de medidas eficazes ao seu combate e à proteção das suas vítimas.

A ONU estima que nos últimos anos o número de pessoas traficadas dentro das fronteiras dos seus próprios países de origem mais que duplicou, e as estatísticas de vítimas de tráfico transnacional mantêm-se extremamente elevadas. Em 2018, em Portugal, este fenómeno assumiu particular expressão, à semelhança de anos anteriores, nas situações de exploração laboral, maioritariamente em trabalhos sazonais em agricultura.

A ONU tem indicado a necessidade de os governos adotarem medidas, nomeadamente de penalização severa dos traficantes e de proteção das vítimas, reforçando que o envolvimento de todas as pessoas na deteção e denúncia das situações de exploração é fundamental. Em Portugal, está em vigor o IV Plano de Ação para a Prevenção e o Combate ao Tráfico de Seres Humanos 2018-2021, composto por medidas que pretendem aprofundar os mecanismos de articulação entre as instituições, promovendo uma intervenção mais eficaz no apoio às vítimas e assegurando o acesso aos seus direitos.

A APAV continua a desenvolver trabalho na área da intervenção com as vítimas deste crime, através do Centro de Acolhimento e Proteção Sul (unidade de acolhimento para mulheres vítimas de Tráfico de Seres Humanos) e do trabalho de atendimento e apoio prestado pela Rede de Apoio à Vítima Migrante e de Discriminação.

Prémio APAV para a Investigação 2019: candidaturas abertas

Publicado .

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima promove em 2019 a quinta edição do Prémio APAV para a Investigação, com o apoio da Fundação Montepio.

O Prémio APAV para a Investigação destina-se a premiar trabalhos de investigação científica sobre temas ou problemas relacionados com a missão da APAV: “Apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais e contribuir para o aperfeiçoamento das políticas públicas, sociais e privadas centradas no estatuto da vítima”.

Estão abertas as candidaturas para o Prémio APAV para a Investigação 2019.

Condições gerais:
- O Prémio APAV será atribuído anualmente pela APAV a um trabalho inédito, desenvolvido em língua portuguesa.
- O Prémio APAV será atribuído a um trabalho que contribua para o conhecimento geral ou específico dos temas ou problemas relacionados com as vítimas de crime, ou para a melhoria de qualidade dos serviços de apoio à vítima em Portugal.
- O Prémio APAV será atribuído a um trabalho desenvolvido em áreas científicas diversas, tais como Direito, Psicologia, Serviço Social, Sociologia, História, Economia, Saúde, Antropologia, Criminologia, Vitimologia, Pedagogia, etc.

Formulário de Candidatura [Link]
Consulte aqui o Regulamento [PDF].

Prazo limite para envio de candidaturas: 31 de julho.

Informações e candidaturas:
apav.pt/premioapav2019

Reafirmação da Posição da APAV relativa à necessidade de reconhecimento da motivação nos crimes de ódio

Publicado .

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima tem vindo, em diferentes momentos, a posicionar-se pela necessidade de reconhecimento da motivação nos chamados “crimes de ódio”.

Na esteira deste entendimento, a APAV tem defendido duas posições fundamentais: a da necessidade de alteração legislativa, para fazer constar no rol das circunstâncias agravantes de diversos tipos penais a motivação fruto de preconceito ou ódio; e a necessidade de reconhecimento, já desde o início do processo, dessa motivação, quer para fins de registo quer para reforçar a prevenção desse tipo de criminalidade.

Recentemente, por exemplo, foram julgados alguns dos arguidos no episódio conhecido como “o caso da Cova da Moura”, que teve como desfecho a condenação de oito dos acusados por crimes de injúria, ofensa à integridade física qualificada, sequestro agravado, denúncia caluniosa e falso testemunho.

Apesar da condenação, a decisão judicial reflete alguma insensibilidade dos magistrados - que não é incomum no sistema como um todo - relativamente a crimes cometidos com motivação “racial”, mas também evidentes falhas legislativas que não permitem ao juiz o reconhecimento dessa motivação em diversos tipos de ilícitos. Essa combinação de fatores acabou por “apagar” da condenação as matizes racistas (afrofobia, no caso) do episódio de violência policial dirigido contra jovens negros.

Paralelamente, o ordenamento jurídico português não conta com a previsão de circunstâncias agravantes por motivação de ódio e/ou preconceito. No acórdão referido, os crimes de injúria basearam-se em grande parte na utilização de expressões racistas, que o Código Penal português não prevê como circunstância agravante, em casos cuja motivação seja racial, o que impede o juiz de reconhecer essa motivação e agravar a pena.

O não reconhecimento da motivação racial que porventura subjaza aos crimes, seja pela insensibilidade dos magistrados seja pelas falhas legislativas apontadas, traz como consequência a não contabilização destes casos como crimes de ódio, o que contribui para a perpetuação de um problema crónico: o não-reconhecimento destas formas de violência, tendo por consequência a invisibilidade dos crimes de ódio em Portugal.

 

Consulte aqui o documento completo:
Posição da APAV relativa à necessidade de reconhecimento da motivação nos crimes de ódio