• banner CARE 404x132 v2

Jornal i: "Mortes por suicídio e agressão aumentaram em 2012"

Publicado .

Pelo terceiro ano consecutivo houve mais mortes por suicídio do que na estrada. Vinte pessoas com mais de 90 anos puseram fim à vida

"As mortes por suicídio e agressões aumentaram no ano passado. Dados do Instituto Nacional de Estatística disponíveis desde segunda-feira revelam que estas são as duas causas de morte por motivos que não doença cuja tendência de diminuição foi interrompida em 2012, ao contrário do que se verifica em intoxicações acidentais, quedas ou afogamentos.

Os suicídios aumentaram 5% em relação a 2011, sobretudo na faixa etária dos mais jovens e dos idosos. O total de 1076 mortes por esta causa, mais 58 que no ano anterior, faz com que 2012 tenha sido o terceiro ano em que estas vítimas superaram as dos acidentes rodoviários. Houve 121 pessoas que morreram vítimas de agressão, mais 22% que em 2011.

Dados mais detalhados fornecidos ao i revelam que os casos de suicídio aumentaram sobretudo na faixa etária dos 20 aos 40 anos anos e acima dos 60 anos. Em 2012 repetiu-se ainda uma tendência que já vem desde 2010, com o aumento dos suicídios acima dos 90 anos: em 2012, 20 nonagenários suicidaram-se.

Na análise dos dados do suicídio, os especialistas mostram-se sempre muito cautelosos. Por um lado, os dados do INE apresentam um número elevado de mortes violentas em que não é possível determinar a intencionalidade. Alguns especialistas admitem que estes óbitos poderão aumentar a realidade do suicídio no país, dado que como não é obrigatório a autópsia e a investigação, muitos casos mais dúbios podem permanecer inconclusivos. Em 2012, segundo o INE, houve 1021 mortes em que se ignora se foram acidentais ou intencionalmente infligidas.

Álvaro Carvalho diz que face a uma realidade de subnotificação, que espera que venha a ser resolvida com os certificados de óbito electrónicos, não é por agora possível retirar grandes conclusões de variações no número de mortes por suicídio. Já Jorge Costa Santos, presidente da Sociedade Portuguesa de Suicidologia, diz que todas as interpretações devem ser cautelosas, sobretudo na associação entre aumentos de suicídios e efeitos da crise, mas também porque feita a média a um período de cinco anos os números têm permanecido relativamente estáveis. Os números de 2012 são superiores aos de 2011, mas neste ano tinham diminuído face a 2010. "Os estudos que temos para a realidade nacional apontam uma relação ténue no nosso país entre crise e suicídio", disse o especialista, considerando contudo vital reforçar os cuidados de proximidade na área da saúde mental. Uma das propostas concretas, que prevê que será feita no âmbito do Plano Nacional de Prevenção de Suicídio que ainda não foi complementado com os contributos da discussão pública que teve lugar no ano passado, pretende que o governo isente doentes com estados depressivos previamente diagnosticados do pagamento de taxas moderadoras, por entender que devem ser considerados grupos de risco. "Deviam beneficiar de um regime específico, dado necessitarem de visitas regulares ao médico de família ou a consulta hospitalar enquanto estão em tratamento e hoje poderem estar com barreiras ao acesso", diz.

Sobre o aumento das mortes por agressão, o total de 121 casos choca por agora com os dados reportados no Relatório de Administração Interna, que aponta para 149 participações por homicídio voluntário consumado em 2012. Estes dados revelados em Março ainda careciam de confirmação, que não ocorreu por poderem incluir outras situações. O Observatório de Mulheres Assassinadas da União de Mulheres Alternativa e Resposta, outra fonte de informação, contabilizou em 2012 40 casos de mulheres vítimas de violência, um aumento de 48% face a 2011 corroborado agora pelos dados do INE, que apontam para 41 vítimas do sexo feminino e 80 do sexo masculino, contra 34 e 65 no ano anterior.

João Lázaro, presidente da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, lamenta o desfasamento temporal na divulgação de informação global, que poderia ser utilizada para melhorar as estratégias no terreno. Ainda assim, diz que a percepção é que o contexto de crise poderá estar a inibir a procura de ajuda por parte de vítimas de violência continuada, por exemplo no meio familiar, onde ocorre uma fatia de 30% das mortes. (...)"

Fonte: Jornal i

Nova edição do Boletim Bibliográfico da APAV

Publicado .

 A edição atualizada de Outubro de 2013 do Boletim Bibliográfico do Centro de Documentação e Informação da APAV já está disponível.

Para maior facilidade de consulta e procurando melhor servir os utilizadores, o Boletim está agora organizado por: Autores; e posteriormente pelos temas mais pertinentes do âmbito da APAV: Monografias; Relatórios; Audiovisuais; Dossiers; Diversos e, em último, por Assuntos.

O Centro de Documentação e Informação (CDI) da APAV localiza-se na Sede e disponibiliza, para além das edições e publicações da APAV, um acervo documental e bibliográfico que privilegia as áreas da vitimologia, da criminologia, da justiça restaurativa, do apoio à vítima e das violências.

O CDI localiza-se nos Serviços centrais de Sede, na  Rua José Estêvão, 135 A – Piso 2, em  Lisboa, e tem o seguinte horário: 4ª feira – das 14h às 17h, com marcação prévia para o 21 358 79 29 ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Boletim Bibliográfico CDI (Outubro 2013)

Novo livro sobre Marketing Social e Responsabilidade Social

Publicado .

A autora Cristina Vaz de Almeida prepara-se para editar um novo livro sobre os temas do Marketing Social e da Responsabilidade Social.

O livro "Marketing Social, Responsabilidade Social em Organizações Sem Fins Lucrativos - Um caminho para a Cidadania" conta com um contributo da APAV, que aceitou o convite da autora tendo em conta a pertinência e relevância da temática.

Além da APAV, associaram-se a este projecto as instituições Cedro Associação, Fundação INATEL, Cáritas, Associação Salvador e PRAVI.

A apresentação do livro terá lugar no próximo dia 22 de Outubro, terça-feira, pelas 18h30, no Espaço Spot - INATEL (Parque 1º de Maio, Lisboa).

Para mais informações:
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | 96 195 88 39

Seminário "Igualdade é Desenvolvimento" | 24 Outubro

Publicado .

No dia Mundial para a igualdade, 24 de Outubro, vai decorrer, no âmbito da Campanha Nacional Igualdade è Desenvolvimento, o Seminário “Igualdade é Desenvolvimento” no auditório da Junta de Freguesia de Carnide, Lisboa. Este seminário, do qual a APAV é uma das entidades organizadoras, tem por objetivo dar a conhecer as boas práticas de igualdade nas organizações da sociedade civil, no sector público e privado.

O seminário, irá decorrer entre as 10 e as 13 horas e terá como oradores Fátima Duarte, Presidente da CIG; Paulo Quaresma, Presidente da junta de Freguesia de Carnide; Ana Paula Dias,  Diretora Animar; Susana Ramos,  Diretora do Departamento de Ação Social da CM de Lisboa; Jorge Oliveira, Espaço T; Rogério Cação, Fenacerci; e Catarina Correia, Rede de Jovens para a igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens.

Programa Ficha de Inscrição | Inscrições para: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Comunicado: Burla | Açores

Publicado .

A APAV tomou conhecimento que se encontra a decorrer uma angariação de fundos em algumas localidades dos Açores, que terá como objectivo a compra de bens de primeira necessidade para mulheres e crianças vítimas de violência. Esta acção estará a ser apresentada em nome da APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, numa colaboração com a Rádio Atlântida.

A APAV esclarece que não se encontra a promover uma acção deste género, pelo que se trata uma burla.

A APAV informa ainda que se encontra a realizar neste momento (Novembro 2013) uma acção de angariação de fundos, na região da Grande Lisboa, numa parceria com a empresa Promosocial - nesta acção os angariadores estabelecem contacto pessoal e estão devidamente identificados.