• banner CARE 404x132 v2

Tentativa de burlas em compras online

Publicado .

Alerta cibercrime

O comércio eletrónico está a crescer em Portugal e estudos recentes apontam que 2 em cada 3 portugueses fazem compras online.

O aumento do volume de compras realizadas através da internet tem vindo a ser acompanhado pelo aumento do número de esquemas fraudulentos utilizados por cibercriminosos para enganar os utilizadores.

Um dos esquemas que se tem mostrado bastante comum, e do qual a APAV tem vindo a ter conhecimento, está associado a plataformas de vendas. O esquema tem os seguintes contornos: o/a vendedor/a publica um anúncio numa destas plataformas e recebe um e-mail ou mensagem de uma pessoa, aparentemente de outro país (tendo em conta os erros ortográficos e gramaticais que o texto contém), que se mostra interessada em comprar o artigo. O/a interessado/a pede os dados bancários do/a vendedor/a (número de identificação bancário - NIB - ou dados de pagamento através de Paypal®) para proceder ao pagamento, e informa que contactará uma empresa de transportes para recolher o artigo.

De seguida - normalmente, um ou dois dias depois -, o/a comprador/a volta a contactar o/a vendedor/a, informando-o/a de que não consegue fazer o pagamento à transportadora e que, por isso, transferiu para a conta do/a vendedor/a o valor do artigo mais o custo do transporte. Por supostamente não conseguir pagar diretamente à transportadora, o/a comprador/a pede ao/à vendedor/a que proceda ele/ela próprio/a ao pagamento à transportadora através de serviços de envio de dinheiro, fornecendo, para isso, os dados necessários (nome e morada da suposta empresa de transportes).

Normalmente, para aumentar a credibilidade do esquema, o/a comprador/a anexa a este e-mail um comprovativo (falso, muitas vezes criado em programas de edição de imagem) da suposta transferência, para que o/a vendedor/a pense que aquele dinheiro vai ficar disponível na sua conta e proceda ao envio do valor à transportadora.

Acontece que, quer o comprovativo da transferência, quer o e-mail, quer, claro, toda a história contada pelo/a suposto/a comprador/a, são falsos. O objetivo do esquema é que o/a vendedor/a envie dinheiro – que nunca chegou a ser transferido para si - para a suposta transportadora.

Sinais de aviso

- A pessoa que responde ao seu aviso diz estar no estrangeiro;

- Os e-mails ou mensagens enviados pelo/a suposto/a comprador, quer sejam escritos em Português, quer em Inglês, contêm muitos erros ortográficos;

- O/A suposto/a comprador/a não se identifica e/ou não lhe fornece informação mesmo que a peça, por exemplo, o nome da transportadora;

- O/A suposto/a comprador/a afirma estar a ter dificuldades e não conseguir fazer o pagamento à transportadora e pede-lhe para o fazer.

Como se proteger

Apesar de existirem vários esquemas e tentativas de burlas a circular, existem semelhanças entre eles que permitem identificar a tentativa de burla. Por regra, estes esquemas têm em comum:

- A promessa do recebimento de uma quantia generosa (acima do preço do produto que está a vender). Outros alegam ter pago mais do que o preço estipulado, pedindo-lhe para reembolsar a diferença, sendo essa a razão pela qual o dinheiro ainda não está disponível na conta bancária do vendedor/a.

- O comprovativo de transferência parece estranho (pois é falso e/ou foi editado usando algum programa de edição de imagem).

- O comprador/a pretende sempre que transfira o montante que lhe pede para uma conta bancária ou através de serviços de envio de dinheiro.

Comprar ou vender produtos online pode ser, e muitas vezes é, seguro. A melhor maneira de se proteger contra burlas é estar atento e manter-se informado/a sobre o modo de atuação dos cibercriminosos. Para se proteger de esquemas fraudulentos:

- Desconfie sempre de pessoas que lhe queiram transferir dinheiro em quantias superiores ao valor do produto (seja qual for a justificação usado pelo comprador/a);

- NUNCA transfira fundos para um comprador/a ou outra pessoa/entidade indicada pelo/a mesmo/a;

- Não ceda dados relativos à sua conta bancária (ex: IBAN) ou outros dados financeiros (ex: Conta Paypal®);

- Esteja especialmente alerta para os sinais de aviso que enumerámos;

- Assim que desconfiar do/a comprador/a, termine a comunicação com o/a mesmo/a.

O que fazer?

- Guarde todas as provas (e-mails trocados, documentos recebidos, etc.);

- Entre em contacto com a plataforma de vendas que está a utilizar informando acerca da tentativa de burla;

- Denuncie a situação junto da Polícia Judiciária.