Deixar de ser vítima

Para uma vida sem violência

Todas as pessoas que vivem (ou viveram) uma situação de Violência Doméstica têm reacções diferentes, em função de diversos factores, tais como: os tipos de abuso que sofreu; quaisquer histórias passadas de abuso ou violência; as estratégias que utilizou para sobreviver ao abuso; outros factores de stress na vida e/ou quotidiano; o apoio (ou a falta deste) que recebeu de familiares, amigos e serviços.

Qualquer que tenha sido a sua experiência, recuperar de uma vitimação de violência doméstica é recuperar de um trauma significativo. Terminar um relacionamento abusivo pode ser um primeiro passo para o início de um processo de recuperação.

Existem alguns procedimentos práticos que pode adoptar para recuperar o seu sentido de segurança, auto-estima e controlo sobre a sua vida.

campanha tema1

SEGUEM-SE ALGUNS EXEMPLOS:

  • Assegure-se de que está o mais seguro(a) possível. Se necessário e/ou possível, mude de casa, ou mude a fechadura da porta;
  • Reconheça que o processo de recuperação demora algum tempo. Dê a si próprio(a) esse tempo necessário para fazer o luto do fim desse relacionamento, bem como das expectativas e desejos que detinha em relação ao mesmo;
  • Aceite que vão haver dias bons e dias maus. Pense em algumas maneiras de lidar com os maus dias;
  • Fale sobre os seus sentimentos. Pode falar com familiares, amigos e/ou pessoas da sua confiança, ou procure um Técnico especializado;
  • Continue a utilizar os serviços especializados no apoio a vítimas de violência doméstica. Se está a ser acompanhado por um Psicólogo, continue o acompanhamento mesmo depois de ter terminado o seu relacionamento;
  • Se perdeu o contacto com familiares e/ou amigos durante o seu relacionamento, entre em contacto com eles.

Histórias Felizes

"TRÊS MULHERES, TRÊS VIDAS, TRÊS HISTÓRIAS…TODAS ELAS DIFERENTES, MAS COM UM DENOMINADOR COMUM: PASSARAM POR UMA SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA"
 
A primeira mulher estava casada há mais de 30 anos, quando, aos 61 anos, decidiu pedir apoio à APAV. A senhora estava já reformada e numa fase em que era suposto que tirasse o maior partido da sua vida.

Aquando do seu pedido de apoio, esta mulher relatou sofrer de maus tratos físicos e psicológicos por parte de um marido com suspeita de padecer de desordem psiquiátrica. Um dia, a meio da noite e em camisa de dormir, a senhora decidiu que era altura de fugir de casa, depois de o seu marido a ter voltado a maltratar.

A vida desta mulher “começou” nessa noite, quando decidiu romper com a sua vitimação e foi acolhida numa Casa de Abrigo da APAV.

Foi nesta Casa que percebeu que há sempre forma de colocar um termo a uma relação violenta e de começar (quase) de novo, bem como de reconquistar o que há muito perdera: o contacto com os amigos e a família. Para além disto, decidiu investir em si, fez uma formação nas Novas Oportunidades e, quando reuniu as condições necessárias, autonomizou-se.

Hoje mantém um grande vínculo com a APAV, dedicando-se ao voluntariado na Casa de Abrigo constituindo um grande e imprescindível apoio a todas as mulheres e crianças que lá se encontram.


A segunda mulher solicitou o apoio da APAV após uma violenta agressão do marido, acabando por ser acolhida com os seus filhos. Quando iniciou o acompanhamento com os técnicos encontrava-se emocionalmente vulnerável, podendo quase dizer-se que personificava a expressão do “desânimo aprendido”.

Numa das actividades desenvolvidas, a senhora escreveu o seguinte poema:

 

“Numa noite de
Silêncio surgiu-me
Uma esperança que no
Final se tornou num sonho…
Com estas palavras
Consegui algo que
Nunca fiz, do
Qual saiu um poema
Sem nenhuma solução”


Ao longo do acolhimento esta mulher conseguiu desconstruir e contrariar todo este desânimo e pessimismo, o que se tornou evidente na forma como transformou o seu poema numa mensagem positiva, utilizando praticamente todas as palavras usadas no seu poema original:

 

“Numa noite de silêncio,
Sem nenhuma solução,
Surgiu-me um sonho que no final
Se tornou (n)uma esperança…
(e) com estas palavras do qual saiu
Um poema,
Consegui algo que nunca fiz.”


Nova imagem 25

 
A terceira história é a de uma mulher que, vítima de maus tratos por parte do marido e dependente dele economicamente, foi acolhida na Casa de Abrigo da APAV numa altura em que tinha três pessoas a seu cargo.

A mãe desta senhora tinha sido vítima de homicídio pelo companheiro, facto que o marido utilizava para a intimidar, dizendo-lhe que um dia lhe faria o mesmo.

A família conseguiu “fugir do medo”, mas o “medo continuou a persegui-la”.

As intimidações continuaram quando, numa conhecida rede social, o marido resolveu divulgar fotografias da campa da sogra. Para além disto, ameaçava a mulher dizendo que iria ficar com a “guarda” das crianças, alegando ter melhores condições de vida.

Toda a situação de violência doméstica foi denunciada às autoridades, bem como foi requerido pela senhora/utente o pedido de regulação das responsabilidades parentais. A equipa de técnicos que acompanhou a família foi, paralelamente, trabalhando a sua autonomização.

Hoje esta mulher e esta família estão autónomas: a senhora tem um trabalho e o Tribunal atribuiu-lhe as responsabilidades parentais das crianças.
 
TRÊS MULHERES, TRÊS VIDAS, TRÊS EXEMPLOS VIVOS DE QUE "OS IMPOSSÍVEIS SÓ EXISTEM NAS NOSSAS CABEÇAS" E DE QUE ESTAMOS SEMPRE A TEMPO DE MUDAR: BASTA QUERER."

Começar uma nova relação

Quando se sentir preparado para iniciar um novo relacionamento, as suas experiências passadas podem ter impacto nos seus sentimentos acerca de uma nova relação.

PODE:

  • Ter dificuldade em confiar no seu novo(a) companheiro(a), ou recear que este(a) possa tentar controlá-lo(a);
  • Ter dificuldade em partilhar a sua independência no seio deste novo relacionamento.

 

Pode ser bastante útil ter alguns cuidados com o seu novo relacionamento. É também importante não deixar que as experiências passadas constituam um obstáculo para a possibilidade de iniciar uma relação positiva e de confiança com o seu novo(a) companheiro(a).


SEGUEM-SE ALGUNS CONSELHOS QUE O/A PODEM AJUDAR A SENTIR-SE CONFROTÁVEL NUM NOVO RELACIONAMENTO:

  • Leve as coisas com calma, tem o direito a desenvolver o relacionamento de uma forma que o(a) faça sentir bem e confortável;
  • Mantenha o contacto com todas as pessoas que o(a) apoiaram;
  • Seja claro(a) consigo mesmo(a) e com o seu/sua companheiro(a) acerca dos comportamentos que aceita e dos que não aceita de forma alguma;
  • Fale com o seu/sua companheiro(a) acerca das experiências passadas, para que este(a) perceba aquilo por que passou;
  • Mantenha as suas finanças e outros bens essenciais separados até se sentir confiante para os partilhar. Pode, contudo, decidir que nunca estará pronto(a) para partilhar estes aspectos da sua vida.

foto c mr 2hs